Lyrics Brüder – Portuguese

Irmão (Heinrich Lersch, 1915)

Defronte a nossa linha jazia ali há muito um homem morto:

O sol queimava-o, o vento e o orvalho arrefeciam-no.

Dia após dia sobre o seu rosto pálido olhava eu fixamente,

E sempre com maior certeza: era o meu irmão que ali jazia.

 

E muitas vezes enquanto o observava estendido perante o meu olhar,

Parecia que escutava a sua alegre voz dos longínquos dias tranquilos.

E nos meus sonhos escutei o seu clamor e choro penoso,

“Oh, irmão, querido irmão, deixaste de me amar?”

 

Por fim arrisquei-me entre as balas e a chuva de estilhaços e corri

Peguei nele e sepultei-o… um companheiro desconhecido.

Os meus olhos enganaram-me, mas o meu coração proclamou-me a verdade:

No semblante de cada homem morto vejo o rosto de um irmão.